Vasectomia

O que é
A esterilização masculina, a laqueadura nos homens. Isso ocorre porque são cortados os canais que levam os espermatozóides dos testículos até a uretra.

Quem pode fazer
Homens com mais de 25 anos e/ou dois filhos ou que possam pôr em risco a vida da mulher e do bebê em uma eventual gravidez.

Como é
O médico faz um ou dois orifícios nas laterais do escroto por onde corta os dois canais deferentes e dá um ponto em cada lado cortado. O procedimento é feito com anestesia local, dura cerca de meia hora e o paciente pode ir para casa.

Masculinidade
A vasectomia não prejudica a produção de hormônios masculinos e nem o desempenho sexual. Isto é, o homem continua sendo capaz de ter ereção, orgasmo, ejaculação (o detalhe é que o líquido seminal e prostático não tem espermatozóides) e prazer sexual. Vale enfatizar: a quantidade, intensidade, cor e textura do sêmen não mudam na ausência dos espermatozóides.

Pós-operatório
O escroto costuma ficar inchado por mais ou menos 2 ou 3 horas após a cirurgia e o incômodo dura alguns dias. O paciente deve manter repouso sexual por uma semana. Alguns homens podem sentir uma leve sensibilidade nos testículos em um período curto após a operação, mas raramente ocorrem complicações (hematoma, inflamação e infecção). O sucesso da vasectomia é confirmada com um espermograma (exame do líquido seminal) após 60 dias da intervenção (período em que se deve manter outros métodos anticoncepcionais).

Eficácia
Não atinge 100% de eficácia, podendo haver casos de recanalização espontânea dos canais deferentes que podem permitir a passagem de espermatozóides, provocando a gravidez.

Cuidados gerais
É importantíssimo saber que a vasectomia não protege contra as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), incluindo o vírus HIV. Para este tipo de prevenção o melhor é o preservativo de látex  (camisinha).

Reversão
O paciente deve encarar a vasectomia como definitiva, ainda que possa ser feita a reversão através de uma microcirurgia delicada (vaso-vasostomia) de reconstrução do canal deferente. Geralmente quem recorre a ela são homens que se casaram novamente ou enfrentaram a morte de um filho ou ainda casais que conquistaram uma considerável melhoria de situação financeira. O restabelecimento da ligação cortada não garante a restauração plena do fluxo de espermas a ponto de alcançar gravidez. Sabe-se ainda que após 10 anos da realização do procedimento a qualidade dos espermatozóides fica comprometida.

Voltar